Maria Teresa de Noronha / Caminhos sem Fim

Maria Teresa de Noronha – Enorme saudade desta grande Senhora do Fado – “Caminhos sem Fim” (Fado Proença) letra de Rita Mariano de Carvalho e música de Júlio Proença. – Guitarra Portuguesa Raúl Néry e viola de Fado Joaquim do Vale. Todos Saudações Fadistas – Américo

Anúncios

Nina Simonet / La chanson des vieux amants

Nina Simonet com a sua versão desta linda música do Brel . Não é Fado, mas tem um não sei quê de cheirinho a Fado. Faixa nº 5 do CD Ausência de Nina Simonet – Na guitarra Portuguesa está Daniel Gomes, na Viola de Fado Jorge Serra e no Contrabaixo Filipe Teixeira . – Abraço para Todos. Américo

Maria Teresa de Noronha / Pombalinho

Volto a recordar DªMaria Teresa de Noronha e nela o prazer e o gosto de ouvir o Fado bem cantado e a qualidade de todas as suas interpretações. Grande Senhora que deixou em todos muita Saudade. – Fado Pombalinho de Georgino de Sousa a Música e com letra de Carlos Nozes. – Acompanham o Conjunto de Guitarras de Raúl Néry e o viola Joaquim do Vale – Saudações Fadistas . Américo

Maria Teresa de Noronha / Fado Anadia

Maria Teresa de Noronha aqui neste Fado a cantar pela última vez em público. Programa de D.João da Câmara na Ex – Emissoura Nacional. Esta Senhora tinha a arte de cantar bem – Fado Anadia com Letra de Marques dos Santos e mùsica de josé Maia de Cavalinhos – Acompanhamento do Conjunto de Guitarras de Raúl Nery mais o Viola Joaquim do Vale. Saudades de Todos!

José Coelho / Eu Gosto Daquela Feia

Saudades, muitas saudades, deste Amigo e colega de noitadas fadistas, naquela Angola que tanto amavamos. O José Coelho, era um homem sempre alegre, muito amigo de todos, alma boa e que tratava o Fado como o Fado merece ser tratado. Vejam e oiçam como ele timbra, e como a sua dicção era irrepreensível , não se perdia uma palavra do poema que interpretava, além disso, sabia muito de Fado. Grande amigo, nunca me esqueço de nossas conversas, sobre Lisboa e o Fado com as saudades mais que muitas que nessa altura se sentia por estar longe da Pátria e dos Amigos que cá tinham ficado. Para ti com emoção um abraço na Paz do teu eterno descanso. Américo (O gaiato como me chamavas)