Quanta verdade há neste texto de Agostinho Maciel

No meu país …….
No meu país ouço (sempre os mesmos) falar mais em greves que em trabalho.
No meu país só dois sindicatos têm voz na comunicação social, a CGTP e a UGT. A todos os outros calam a voz.
No meu país os grevistas (com ou sem razão) são sempre os mesmos, e até são os que auferem melhores salários e têm melhores condições de vida.
No meu país quase todas as greves são às sextas-feiras.
No meu país ninguém dá a mínima importância aos trabalhadores que ganham o ordenado mínimo nacional, sendo olhados como sendo a ralé.
No meu país os velhos são desprezados.
No meu país não há licenciados, só há senhores doutores.
No meu país as pessoas são afáveis e boas.
No meu país há muito sol durante todo o ano.
No meu país há muitos gatunos a gerir a causa/coisa pública, que fazem desfalques sucessivos que o pacato povo repõe.
No meu país há ladrões legitimados pelo poder que entram pobres nos cargos e saem dos mesmos com fortunas de muitos milhões sem que haja quem se preocupe com a proveniência da tanta riqueza.
No meu país é crime (e bem) maltratar os animais e não é crime expor os velhos ao abandono.
No meu país o crime continua a compensar.
Apesar de tudo, continuo a amar Portugal e gosto muito de cá viver.
Ai meu país, meu país……
Agostinho Maciel

Anúncios
Posted in 1.

Ada de Castro / Ilusão

Ada de Castro, grande nome no Fado, lembro aqui este “Ilusão” de um dos seus discos, com música de Alfredo Marceneiro e letra de Luís Fidalgo. Abraços a todos e bjinho para Ada de Castro com votos de boa saúde.

Américo

 

 

Com a devida vénia partilho este post hoje publicado no Facebbok

Somos realmente um Povo “diferente”, muitas vezes, até, “estranho”.
Andámos todos atarefados na tentativa de se conseguir que a chamada Canção Nacional, o FADO, fosse considerado, a nível mundial, «Património Imaterial da Humanidade».
Conseguimos.
Aquilo foi uma Festa, com todos os protagonistas eufóricos: Fadistas, Governantes e, outras figuras públicas.
Foi realmente uma Vitória, para o Fado, para todos os fadistas, músicos, poetas, compositores, para os portugueses e, para Portugal.
O que seria de esperar (?): que, na RTP, a televisão do estado, a televisão de todos nós, dos contribuintes portugueses, houvesse um programa de Fado, nem que fosse mensal.
Penso que todos concordam…
Agora aquela nossa parte, “diferente” e, “estranha”:
– NÃO HÁ NENHUM PROGRAMA SOBRE FADO, NA RTP…!!!???
O mais triste, no meio de tudo isto, é que, os responsáveis MAIORES da RTP (funcionários públicos pagos a peso de oiro), nem sequer se devem ter lembrado disso !!!???
SOMOS OU NÃO SOMOS DIFERENTES…E ATÉ, ESTRANHOS…(??) 🇵🇹

Américo / Noites Perdidas

Música de Carlos da Maia em sextilhas, e letra de Fernando Pinto “Noites Perdidas” com slides da minha amiga Filomena Franco que como sempre é uma colaboradora e uma mais valia para os trabalhos que apresento.Obrigado Mena.  Este Fado é uma reedição agora com nova roupagem. Um abraço a Todos. Américo

Beatriz da Conceição / O Meu Fado

Com a saudade ainda viva por nos ter deixado há pouco, Relembro Beatriz da Conceição em um dos seus temas marcantes “O Meu Fado” com letra de Moreira da Cruz e música de José António Sabrosa., com o conjunto de Guitarras de Fontes Rocha e arranjos e direcção de Orquestra de Thilo Krasmann. Bom Natal para Todos